O desenho no Brasil durante o século XIX.

 

Para refletir sobre o desenho no Brasil durante o século XIX seria interessante, entre as várias possibilidades de estudo, compreender seu desenvolvimento inserido no contexto da Academia Imperial de Belas Artes e do Liceu de Artes e Ofício do Rio de Janeiro. Isso, uma vez que foram essas instituições, durante o período, os principais centros de formação artística no país.

Inicialmente nomeada de “Escola Real de Artes e Ofícios”, a “Academia Imperial de Belas Artes” foi criada com a proteção do rei D. João VI em 1816 a partir da chegada, ao Rio de Janeiro, de uma comitiva composta por um erudito, alguns pintores, um arquiteto e também vários artífices que faziam parte da “Missão Francesa”[1].  Um dos objetivos primeiros dessa instituição, conforme o seu decreto de instauração era a formação do estudo das Belas Artes com aplicação e referência aos ofícios mecânicos, com ênfase à instrução e conhecimentos indispensáveis aos homens destinados não só aos empregos públicos da administração do Estado, mas também ao desenvolvimento da agricultura, mineralogia, indústria e comércio. Contudo, o que se observa com o desenvolvimento dessa instituição é a supremacia de um ensino erudito da arte, priorizando as “Belas Artes” (pintura, escultura e arquitetura) em detrimento das “artes mecânicas” (marcenaria, fotografia, fundição…). A Academia inaugura o ensino artístico no Brasil em moldes semelhantes aos das academias de arte europeias.

O desenho era praticado nas aulas de desenho de observação e cópia de moldes. Era visto como uma técnica fundamental para formação do artista.  Era entendido como parte essencial do estudo para a constituição da obra final do artista, prática comum à pedagogia acadêmica.

Também possuía um caráter documental e ilustrativo. Nesse sentido, pode-se citar o artista da Missão Francesa, Jean Baptiste Debret[2], que realizou uma série de desenhos sobre os acontecimentos contemporâneos para desenvolver suas aquarelas e litografias. Essas últimas que ilustram seu famoso livro Voyage pittoresque et historique au Brésil.   Debret foi também professor de pintura e desenho na Academia de Belas Artes.

 Outra instituição de formação artística que se desenvolve no Rio de Janeiro durante o século XIX foi Liceu de Artes e Ofícios que inicia suas atividades em 1858.

Fundado pela Sociedade Propagadora de Belas Artes, foi uma instituição privada, liderada pelo arquiteto Bethencourt da Silva, que promovia o ensino artístico e profissionalizante. O Liceu tinha como um de seus principais objetivos, aliar o ensino teórico ao prático e, desta forma, auxiliar a industrialização do país.

Bethencourt da Silva acreditava que a educação, em especial o conhecimento artístico, através do ensino do desenho, era a base para que as nações alcançassem o desenvolvimento e a riqueza e, por isso, liderou um movimento na fundação da Sociedade Propagadora das Belas Artes do Rio de Janeiro e do Liceu de artes e Ofícios.

A grade curricular do Liceu dava grande ênfase ao ensino do desenho, considerava-o fundamental na formação do artífice. Os defensores do Liceu representados por Bethencourt da Silva compreendiam o desenho como ferramenta central no objetivo de se ensejar a industrialização no país, estavam convencidos de que o conhecimento do desenho era a base para a perfeição manufatureira e que o atraso da indústria brasileira devia-se tão somente à falta de conhecimentos do desenho na educação dos artífices.

bibliografia

BOGHICI, Jean (org.) Missão artística francesa e pintores viajantes França-Brasil no século XIX. – Rio

FERREIRA, Félix – Belas Artes: estudos e apreciações – introdução e notas Tadeu Chiarelli ; 2ª ed.; editora Zouk; Porto Alegre; 2012.

GONZAGA-DUQUE, A arte Brasileira; introdução e notas de Tadeu Chiarelli. Campinas: mercado de Letras, 1995.

www.dezenovevinte.net/de Janeiro : Instituto Cultural Brasil-França, 1990.

www.itaucultural.org.br

MURASSE, Celina Midori – Bethencourt da Silva e o ensino técnico no Brasilwww.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe2/pdfs/Tema4/0418.pdf

MURASSE, Celina Midori – Industrialização e Educação: A Origem do Liceu de Arte e Ofícios  – http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe1/anais/037_celina_m.pdf 


[1] “O século XIX no Brasil presencia mudanças profundas na história das artes plásticas em relação aos séculos anteriores, cujo sentido não pode ser compreendido sem referência à chamada Missão Artística Francesa. Em 26 de março de 1816 aporta no Rio de Janeiro um grupo de artistas franceses, liderados por Joachim Lebreton (1760 – 1819), secretário recém-destituído do Institut de France.1 Acompanham-no o pintor histórico Debret (1768 – 1848), o paisagista Nicolas Taunay (1755 – 1830) e seu irmão, o escultor Auguste Marie Taunay (1768 – 1824), o arquiteto Grandjean de Montigny (1776 – 1850) e o gravador de medalhas Charles-Simon Pradier (1783 – 1847). O objetivo era fundar a primeira Academia de Arte no Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves.”

Fonte: enciclopédia virtual Itaú Cultural: http://www.itaucultural.org.br/

[2] « Jean Baptiste Debret (Paris, França 1768 – idem 1848). Pintor, desenhista, gravador, professor, decorador, cenógrafo. Frequenta a Academia de Belas Artes, em Paris, entre 1785 e 1789, aluno de Jacques-Louis David (1748 – 1825), seu primo e líder do neoclassicismo francês. Estuda fortificações na École de Ponts et Chaussée [Escola de Pontes e Rodovias, futura Escola Politécnica], onde se torna professor de desenho. Em 1798, auxilia os arquitetos Percier e Fontaine na decoração de edifícios. Por volta de 1806, trabalha como pintor na corte de Napoleão (1769 – 1821). Após a queda do imperador e com a morte de seu único filho, Debret decide integrar a Missão Artística Francesa, que vem ao Brasil em 1816”

Fonte: enciclopédia virtual Itaú Cultural: http://www.itaucultural.org.br/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s